Partilhar:

Vinho Tinto
Pêra-Grave
2017, 75cl
Regional Alentejano

12

 14%

 Imediato

 Servir a 16º-18º

 

O Produtor, nota de prova publicada em 15 de Junho de 2018

Cor: Ruby. Aroma: Frutos pretos muito maduros bem casado com o aroma discreto da madeira dando-lhe profundidade. Paladar: Marcado pela fruta preta madura,como a ameixa e a groselha, e pelo chocolatre preto bem integrado na boa comlexidade dada pelo estágio em madeira. Os taninos são polidos dando um corpo aveludado e consistente ao vinho. Fim de prova: Final de boca muito elegante e persistente.

Descubra todos os vinhos deste produtor

Pêra-Grave

Limitado ao stock existente. No caso do vinho que comprou ficar sem stock, entraremos em contacto para propor um vinho diferente, ou para lhe devolver o valor pago.
As promoções nos vinhos não são acumuláveis com outros descontos ou cupões. Um vinho notável, produzido junto à ribeira de Peramanca. Vinificação: Após 2 dias de contacto pelicular a frio, a fermentação decorreu durante 8 dias a 24ºC com remontagem do mosto. Estágio: 12 meses em barricas do 2º ano de carvalho francês e americano.

Prémios

Medalha de Ouro – Mundus Vini 2018

Informação de alergénios

Contém sulfitos.

SKU: 101687

Pêra Grave, Sociedade Agrícola Unipessoal Lda.

A Quinta de São José de Peramanca situa-se a cinco quilómetros de Évora, na Estrada Nacional 114. O grande e tradicional casario, marcado pela arquitetura barroca, e a igreja de São José a ele adjacente facilitam na identificação. Com 34 hectares, a Quinta tem na casa solarenga e na sua vinha o seu maior património. Quanto ao nome peculiar da quinta “Peramanca” (Pedra-Manca), significa “pedra oscilante, pouco segura”, é explicado pela existência na região de grandes pedras de granito em equilíbrio oscilante. Desde a época Romana e ao longo dos séculos, os arredores a ocidente de Évora foram considerados como uma das mais importantes regiões produtoras de vinho de qualidade, tendo a zona ficado conhecida por “Terras de Peramanca”, dada a abundância destas pedras oscilantes. No final do século XIX, os vinhos aí produzidos ganharam mesmo várias medalhas em concursos internacionais. No entanto, por essa altura, o flagelo da filoxera veio acabar com o cultivo da vinha em quase todo o país.