Partilhar:

Vinho Branco
Quinta de Carapeços
Alvarinho 2021, 75cl
Vinhos Verdes

10,49

 13%

 2022-2028

 Servir a 8º-10º

 

O Produtor, nota de prova publicada em 9 de Maio de 2022

Feito apenas com as uvas que lhe dão nome, o Quinta de Carapeços Alvarinho é um vinho harmonioso, de cheiro intenso floral e cítrico, possuindo um final longo e frutado, ideal como acompanhamento de todo o tipo de entradas e de pratos.

Descubra todos os vinhos deste produtor

Quinta de Carapeços

O Quinta dos Carapeços Alvarinho é feito com recurso a vindima manual, sendo o transporte da uva efectuado em baldes de 15 kg para a adega. Após a sua recepção esta é esmagada e desengaçada. A fermentação é realizada à temperatura de 14ºC durante 18 dias. Em inox com bâtonnage mensal durante 4 meses.
Trata-se de um vinho Alvarinho com um carácter próprio do terroir em que é produzido, necessariamente diferente dos oriundos de Monção, Melgaço e Rias Baixas.

Informação de alergénios

Contém sulfitos.

SKU: 106385

Quinta de Carapeços

Inserida na Região dos Vinhos Verdes, mais precisamente no concelho de Amarante – terra de Pascoaes e de Souza Cardoso, a Quinta de Carapeços é conhecida pela sua beleza natural , bem como pela qualidade e singularidade dos seus Vinhos Brancos, Tintos, Rosés, Espumantes e Colheita Tardia que ao longo dos anos ganharam inúmeros Prémios e obtiveram reconhecimento por parte de Críticos e Apreciadores de Vinho.
Nesta Quinta conjuga-se tradição e modernidade, sempre com respeito pelo que a natureza oferece e, também, por uma grande máxima: não há duas colheitas iguais.
A primeira referência feita à Quinta de Carapeços data de 1338, ano em que uma filha de Martim Carvalho, Cavaleiro de Basto, casou com, João de Carapeços, assim chamado por ser o Senhor da Quinta com o mesmo nome.
Em 1351, a propriedade foi vendida e, já no início do séc. XVII, passou a pertencer ao Mosteiro de São Salvador de Travanca, o qual fora fundado em meados do séc. XII pelos monges Beneditinos.
Com a extinção das Ordens Religiosas em 1834, a quinta foi vendida, tendo sido o anterior proprietário um descendente do mencionado Martim Carvalho.
Advogado de profissão, Miguel Pereira de Abreu, sempre teve uma enorme paixão pelo mundo vitivinícola, fruto da ancestral ligação da sua família a propriedades agrícolas situadas nos concelhos de Amarante, Felgueiras e Penafiel.
Respondendo às enormes transformações operadas no mundo rural desde as décadas de 60/70 do século passado, procedeu a uma profunda reformulação da exploração das suas terras, focando-se, inicialmente, na produção de uvas de primeira qualidade.
Para tal, reconverteu a totalidade da área agrícola, através da criação de
plataformas para o plantio de vinha em bardo (assim substituindo as tradicionais ramadas) e a introdução de castas melhor adaptadas às condições do «terroir».
Foi pioneiro na introdução da casta Alvarinho fora da sub-região de Melgaço-Monção.
Já no início deste século e após a instalação de uma adega equipada com as mais actuais tecnologias disponíveis, é lançada no mercado a marca «QUINTA de CARAPEÇOS», seguindo-se, mais recentemente, a marca «EIRA dos MOUROS», esta associada a uma linha de entrada de gama.
A Quinta produz vinhos Brancos, Rosés, Tintos, Espumantes e Colheita Tardia de altíssima qualidade que ao longo dos anos mereceram a atribuição de inúmeros Prémios a nível nacional e internacional.