Partilhar:

Vinho Branco
Dominó
Colar 2019, 75cl
Lisboa

13,49

 11%

 Potencial de envelhecimento

 Servir a 8º-10º

0 /5
0 votaram

 

O Produtor, nota de prova publicada em 23 de Maio de 2020

Cor clara citrina. Aroma de fruta fresca, na boca apresenta-se macio e tranquilo com um final leve e armonioso.

Descubra todos os vinhos deste produtor

Dominó

O Colar Dominó Branco foi envelhecido na levedura em aço inoxidável e em pequenos barris de madeira usados, 50% cada um, e engarrafado não filtrado e sem adornos. As videiras Malvasia de dez anos de idade são enterradas em areia calcária e argila. A produção está próxima das 1400 garrafas, uma vez que é incrivelmente difícil fazer vinho aqui. Apesar da leveza de quase 11% Alc., ainda se pode sentir uma intensidade e fineza salgada.

Informação de alergénios

Contém sulfitos.

SKU: 105230

Victor Claro

Vitor Claro iniciou o Dominó em 2010, após anos a trabalhar como chef e a gerir o seu próprio restaurante, ‘Claro’, em Paço de Arcos, uma cidade resort fora de Lisboa. A sua carreira como chef valeu-lhe grandes elogios, e o estatuto de culto do seu restaurante colocou-o em contacto com alguns dos principais actores da indústria do vinho em Portugal. Um deles foi Dirk Niepoort, o enólogo e produtor maverick Douro (e não só), que motivou Vitor a seguir uma nova carreira, a de vigneron. Após uma visita casual a uma vinha em Portalegre, no Alentejo, Vitor e a sua esposa Rita decidiram que queriam fazer vinho a partir das vinhas velhas que viram, e com a ajuda de Niepoort propuseram-se aprender a fazer vinho e a trabalhar a terra.
Uma década mais tarde, Vitor e Rita são agora vinhedos confirmados, trabalhando vinhas e fazendo vinhos das diversas paisagens de Portugal, um esforço desafiante mas gratificante. Como chef Vitor entende como combinar todos os diferentes ingredientes do terroir português e os seus micro-climas para fazer os vinhos que ele quer e gosta: vinhos mais frescos com acidez brilhante e paladares limpos.
É assim que a partir das vinhas costeiras de Lisboa, em Colares, ele e Rita fazem um branco e um tinto que são vinhos atlânticos quintessenciais que mostram tensão e salinidade; a partir dos solos xistosos do Douro fazem o Celestino, um branco de alta textura e, no entanto, delicado, de vinhas velhas de Moscatel a Petits Grains; e finalmente do Alentejo (onde estão a construir a sua adega) trabalham os vários micro-climas, parcelas e altitudes da região com lotes de vinhas muito velhas das suas típicas uvas portuguesas (Tinta de Olho Branco, Tamarez, Trincadeira… ), fazendo vinhos perfumados e finos de uma região conhecida sobretudo pelo poder dos seus tintos.
A sua filosofia é simples. Vitor quer expressar aquilo que não é imediatamente óbvio das suas vinhas, a fim de alcançar pureza e transparência. As vinhas são trabalhadas organicamente, a maturação é controlada, e a abordagem na adega é subtil, com extracções suaves e curtas, fermentações espontâneas, sem correcções, baixo uso de enxofre e filtração muito leve.